Crônicas Experimentais

Reúnem-se aqui crônicas experimentais embasadas nas experiências e ações do Núcleo.

Barbante líquido
por Virginia Mota
(02 de julho de 2011)
_______________________________________________________________________________
Maíra é…Pedra noventa! por Ana Paula Chaves
(02 de julho de 2011)
Pessoa
“supimpa”,
“bacana”,
“honrada”,
“que gosta das coisas feitas às claras”,
“pessoa do bem”,
“a bola boa”,
“aquela que faz a diferença.”Maíra luta com palavras e ações.
Faz (presente do indicativo)
história no nosso meio dia,
percurso,
ponto de vista,
olhar com fé,
comprometimento,
na nossa reflexão,
prática,
“autonomia”,
percepção,
intervenção no mundo,
Maíra “manuela” o delírio do verbo:
Escuta a cor dos passarinhos,
Desenha o cheiro das árvores,
Mede a altura do silêncio das pedras,
Voa fora das asas,
Olha de ave,
Olha as coisas de azul,
Cuida para não empobrecer a imagem.
Maíra é puxada por ventos e palavras.
Os ventos do Norte chamaram Maíra.
Os ventos do Sul sopram agradecimentos à companheira.
Sopram sorrisos, beijos, abraços, trevos da sorte, saudades e um até logo!
Porque todo vento que vai, volta!

“Até logo, até logo companheiro.
Eu te guardo no meu peito e te asseguro:
Nosso afastamento passageiro
É sinal de um encontro no futuro.”

_______________________________________________________________________________
Pedregulho por Virginia Mota
(16 de junho de 2011)


_______________________________________________________________________________

Programa em Família por Virginia Mota
(16 de junho de 2011)


_______________________________________________________________________________

Liberdade por Maíra Dias
(10 de junho de 2011)

Um aluno recebe prancheta, folha e lápis para participar de uma atividade no museu. Com um enunciado simples deveria escolher com seu grupo uma obra para integrar um roteiro de visita formado colaborativamente.

Começa o percurso. Mesmo sem orientação para isso anota o nome de uma obra, em seguida anota o de outra, mais outra e outra… Percebe, então, que não está no museu para listar obras. E para que está? Faz uma última anotação.

Todo o tempo, até para me manter atenta, me questiono o que quero provocar nas visitas. Qual o sentimento que quero que os visitantes tenham no museu?

Em um trabalho onde é tão difícil aferir resultados, já que podemos influenciar toda a relação de um indivíduo com o mundo, com a arte, com a realidade… “Liberdade”, pra mim, é um indicador de missão cumprida.

_________________________________________________________________________
Retornar Textos e Pesquisas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s